Flagrante cumplicidade

|


- E aí, doutora? Como está a minha situação?

- Você conhece o procedimento quase tão bem quanto eu. Quantas vezes já foi preso nas mesmas condições?

- Essa é a sétima vez.

- Pois então. Já sabe tudo o que vai acontecer, não?

- A senhora acha que demora muito a me soltar dessa vez?

- Eu vou primeiro conversar com o delegado, depois começo a fazer previsões.

- As coisas estão feias pro meu lado, né? Pode falar, doutora. A senhora sabe que sou macaco velho.

- Justamente por isso que não entendo você. Tantos anos nessa vida e ainda dá um mole desses?

- Doutora, a senhora pode ser advogada só escrevendo petições? Consegue ficar na segurança de seu escritório, entre seus livros? Não tem que dar a cara a bater nas audiências? Se expor?

- E daí?

- E daí que cada profissão tem seus riscos. O risco da minha é a prisão. Faz parte.

- Desde quando estelionato é profissão?

- É a única coisa que sei fazer. É o que eu faço melhor do que os outros. Onde me sinto o melhor. E é o que paga meus desejos, meus vícios, meu sustento.

- Aptidão e satisfação.

- O que foi?

- Nada, só estava pensando alto. Continue.

- Pois é isso, doutora. A senhora usa seu talento e seu esforço pra conseguir sobreviver, eu faço o mesmo.

- Você só esqueceu de um detalhe. Todas as profissões têm uma função social. Elas servem de alguma forma pra contribuir com as outras pessoas, cada um se especializa em alguma coisa e oferece aos outros. Como se fosse um escambo de aptidões.

- Um o quê?

- Escambo, troca.

- Ah sim. Ouvi dizer que antigamente as pessoas trocavam o que plantavam com as outras. Um plantava milho, outro feijão, daí eles trocavam.

- Pois então. Hoje em dia, trocamos aptidões. Um sabe tratar de doentes, outro sabe construir casas, e cada um "vende" o que sabe fazer pra que todos vivam melhor.

- Entendi o raciocínio. Estelionatário não torna a vida de ninguém melhor.

- O que você faz é justamente prejudicar a vida em sociedade, à medida que você engana alguém pra ficar com o que é dele, além de causar um dano àquela pessoa, você gera uma sensação de insegurança e desconfiança nos outros, que começam a sentir que precisam se defender a qualquer custo porque podem ser as próximas vítimas. Isso cria toda uma desordem social, entende?

- A senhora tem razão. Eu não contribuo mesmo pra esse "meio social". Sabe por que, doutora? Porque ele também não me deu nada. Pra mim não existe mundo social, existe mundo cão, onde é cada um por si. Olha, doutora, não sou um cara ruim, sei reconhecer quando alguém me faz um favor. Mas eu não faço parte desse meio social, ele nunca fez nada por mim. E nem eu me sinto na obrigação de fazer alguma coisa por ele.

- Talvez seja principalmente por isso que anos de cadeia não conseguiram te ressocializar. Você nunca foi nem socializado. Mas eu ainda não entendo uma coisa. Como você se deixou pegar denovo?

- Doutora, o destino do estelionatário é a cana. Eu nunca quis juntar dinheiro. A senhora estuda, lê, fica cada vez mais instruída porque é essa a sua maneira de conquistar o seu lugar, de se fazer aceitar e respeitar pelos outros. Eu roubo pra comprar essas mesmas coisas.

- O seu discurso é muito bonito, mas há diversas formas menos prejudiciais a você mesmo e aos outros de conseguir o que quer.

- A sua, por exemplo?

- A minha, por exemplo.

- A senhora põe gente como eu na rua.

- Eu não senhor. Eu ofereço a pessoas como você o direito de ter uma defesa competente. Há o Ministério Público pra tentar provar que você é culpado se assim entender. E no fim das contas, quem decide é o juiz.

- O seu discurso é muito bonito, mas...

- rs... Você é muito bom na argumentação... Imagino que seja assim que você consegue enganar suas vítimas.

- Não somos tão diferentes quanto pode parecer à primeira vista, não é mesmo doutora?

P.S.: A cada dia mais me convenço de que cada post publicado aqui é em parte meu e em parte das pessoas que não só me visitam como deixam um pouco delas por aqui. Um comentário, uma sugestão, uma provocação. Uma única palavra deixada pode fazer surgir em mim uma torrente de pensamentos, emoções e mais palavras. Obrigada, Cris.

11 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Se der conversa termina por ouvir o que não quer.
Cadinho RoCo

tossan disse...

Veja... O mundo social não lhe deu nada, é verdade, mas não tire nada de mim. Se tirar, então fique na cadeia. Um meio não justifica o outro. Se eu fosse advogado , eu não seria bom, estes caras eu não defenderia. Beijo

Cris_do_Brasil disse...

Bom dia minha rainha! hehe (como diz a baiana na minha postagem), primeiro agradeço seu beeeelo coment e peco desculpas por nao ter vindo antes agradecer. Eu adoro estar presente nos blogues, além de ter a presença de pessoas como vc, que ´me lêem.` Sim, vc me leu.

Ótimo seu texto, teriam pilhas de páginas para dizer sobre o assunto, e ainda assim, ficaria faltando alguma coisa. Vc abordou a falta de senso do marginal, a sociedade ausente, e a peculiaridade dos advogados, que conseguem defender casos tao infames, dignos de nem comentar. O pior é quando somos vítimas tanto de um, como do outro.

Acho vc já viu, mas vou deixar o link de um vídeo de um bandido totalmente sem nocao que recebi por e-mail dia desses, digno de risos. Fazer o que.

http://www.youtube.com/watch?v=U0tn84qN0zE


Um bótemo dia!

paula barros disse...

Oi, vim com vontade de te chamar de borboleta linda rsrsr

Você escreve de uma forma que prende minha atenção. Sinto o texto fluindo e no final fico a refletir.

Muitas vezes pensei nessa questão do papel do advogado.

abraços carinhosos

Bill Falcão disse...

Putz! O cara tem razão! Ele poderia ser um brilhante advogado!
E este post mostra a nossa Dani em um de seus melhores momentos!
Bjoooooo!!!!!

Léo Mandoki, Jr. disse...

eu que o diga!! pq eu quero sempre corromper vc e vc com seus argumentos nca se corrompe!!!PQP!!
seus honorários devem ser caros!

Kari disse...

Simplesmente PERFEITO!

Zunnnn disse...

já ouviu falar da profissão mendigo?
dizem que dá muito dinheiro tambem. rs
tem aposentados por ai injetando esperança nisso. rs

Zunnnn disse...

Ah.. e o provocação foi pq mesmo?

criticas, sugestões, elogios..rs
primeira vez que eu vejo provocações entrar no pacote. rs

Cadinho RoCo disse...

Voltei.
Cadinho RoCo

Cris_do_Brasil disse...

Óh que linda, usou o vídeo do infame hehe
Me matei de rir com sua ´análise profunda, densa, impenetrável` logo no início do seu coment. Se eles não tem a sensibilidade para perceber, melhor não explicarem mesmu num é.

Fico lisonjeada quando dizem que gostam da porcariada que eu boto no cafofo, e ficarei tb quando não gostarem e falarem. Pode levar na mala tudo o que quiser, e guardá-la feito um tesouro para um dia, se necessário, usar.

Obrigada por ter ´aderido` o vídeo do bandido sem nocao na sua postagem, ficou muito a ver com o seu texto.

Vc é muito simpática :))