Prólogo de uma farsa

|
- Acorda, sua mãe no telefone.

Como assim "sua mãe no telefone"? Até onde conseguia se lembrar da noite anterior, ela estava dormindo na casa dele. Como a mãe a encontrara lá? O celular. Ele havia atendido o celular.

- Alô.

- Minha filha, estou tão feliz. Até que enfim está namorando. Por que não me contou? Como ele é? Não é nenhum intelectual bêbado e deprimido, é?

- Mamãe, às vezes tenho a nítida sensação de que a senhora foi inquisidora na última vida.

- Última vida. Deixa de bobagem. A vida é só uma, menina. Você já tem quase 30 anos e fica aí desperdiçando beleza e saúde. Quando despertar, vai estar velha e solitária. Que homem vai querer casar com uma velha solitária?

- Ah, mamãe, adoro essa sua associação: casamento feliz igual à vida feliz.

- Não seja irônica com sua mãe.

- Tudo bem. Posso te ligar mais tarde? Já devo estar atrasada pro trabalho.

- Ainda não disse por que liguei.

- Não ???? Então, diga.

- Estou indo conhecer a namorada do seu irmão, parece que eles vão ficar noivos. Vou fazer uma conexão aí, amanhã à noite. Você me pega no aeroporto, jantamos, nós duas e o namorado que você estava escondendo e depois vocês me deixam no aeroporto de novo.

- Jantamos? Nós duas e meu namorado? Amanhã?

- Você tem um comrpomisso mais importante do que jantar com sua mãe e seu namorado?

- Ele não...

- Estou mesmo muito feliz com a notícia. Já estava ficando preocupada. Estava até com medo de você ser lésbica.

- E se eu fosse lésbica? Qual seria o problema?

- Nenhum, mas você não poderia casar, ter filhos.

- Não, mamãe, decididamente não vou voltar a esse assunto. A que horas a senhora chega amanhã?

- Às 20hs. Não se atrase.

- Não atrasarei.

- Você sempre atrasa.

- Mas dessa vez não estarei falando com a senhora no telefone ao invés de estar me vestindo pra sair.

- Então agora sou culpada por todos os seus atrasos?

- Não, mamãe, todos não, mas o de hoje, a senhora será se não me deixar desligar.

- Diga ao... Como é mesmo o nome dele?

- Até amanhã, mamãe.

Ela desligou o celular e foi até a cozinha. O perfume do café já se espalhara por todo o pequeno apartamento. Mas não era só o cheiro do café que a fizera ir até a cozinha.

- Me dá um bom motivo pra ter atendido meu celular.

- Ele estava tocando.

- Esse é o bom motivo?

- Esse é o único motivo. Na verdade, eu achei que fosse o único motivo quando resolvi atender. Agora sei que houve outro.

- Ah, é? Qual?

- Salvar sua mãe da angústia de achar que sua filha é uma encalhada. Quer dizer que vamos ter jantar em família amanhã?

- Vamos é muita gente, cara pálida. EU vou jantar com minha mãe amanhã.

- E você vai decepcionar sua querida mãe?

- E você não faria o mesmo se eu te levasse ao tal jantar? Olha só, minha mãe não quer que eu tenha alguém. Ela quer que eu arrume um candidato a marido, alguém que vá me dar filhos e envelhecer comigo na varanda de casa. Você tem que admitir que não se enquadra no perfil.

- Nem você.

- Verdade. Mas ela não se dá conta disso. Portanto, levar você pra conhecê-la a decepcionaria tanto quanto não levar.

- Pelo menos, ela ia ter certeza de que você não é lésbica.

Ele sorriu de lado, como sempre fazia quando sabia que a tinha irritado. Pegou-a pela cintura e a puxou pra junto de seu corpo. Ela chegaria atrasada no trabalho. Sua mãe tinha razão, nem sempre era ela a responsável pelos atrasos da filha.

P.S.: Cenas dos próximos capítulos: A escolha "certa", Uma saída, E tudo acaba onde começou.

7 comentários:

Léo Mandoki, Jr. disse...

adorei essa do «cara pálida»! ahahahah
essa garota deveria ser namorada do Mandoki viu!!
tbm acho que o padeiro se excedeu em atender o celular. E como castigo, acho que ele deveria ir ao jantar e ficar ouvindo a mãezinha falando CRICRICRICRI a noite tda no ouvido dele
mta tortura hein!!

Léo Mandoki, Jr. disse...

agora sim fiquei com a certeza de Ela sente algo msm forte pelo padeiro. Se apenas um caso, ela ainda estaria puta pelo fato de ele ter atendido o celular, e não iria se atrasar pro trabalho por causa de tesão de mijo de manhã...ehehehehehehe
mas é um final mais estimulante sim!!!

a má estrela disse...

haha tesão de mijo...


Oh povo incompreensivo... tão cavalheiro ele é,não queria que sua garota despertasse ao som de campainha de celular,gente...só isso...rs

E outra,ele está certo mesmo em querer ir ao jantar,eu iria...

Sempre quis bancar de bom genro...rs

Polly disse...

odeio essas coisas simples assim.
significa: eu ando sendo muito pontual!

Késia Maximiano disse...

ahahaha... e as mães com essa mania louca de querer controlar a gente né não?
rsrsr
Bjs

Melia Azedarach L. disse...

Preciso dizer que isso lembra uma guria chamada Melia?
Muito familiar, muito bom, muito "tudo", estou com meu modo gay ligado hoje, toda mona.
O post de hoje será sobre isso, dançei até o dia amanhecer, resumindo eu to cansada e vou trabalhar a tarde toda e quer saber? a vida é mesmo muito boa aqui desses lados, a vida é mesmo muito doce.
E não esqueça, sempre estou atualizando, o último post fala até de você.

Beijinhos, vou tentar juntar os pedaços de Melia e ir trabalhar.

La Critique disse...

nossa helena... to adorando!!

parece que nós conhecemos os personagens ali descritos tão bem por você... Aos poucos vamos conhecendo cada um , e sem nome!!

perfeito, vc seria uma ótima roteirista!!