A escolha "certa"

|
Ela estava atrasada. Novamente. Teria que trabalhar até (bem) mais tarde pra compensar o atraso. Tudo bem. Não seria mesmo uma boa idéia chegar cedo em casa e ter tempo pra pensar no jantar da noite seguinte.

O encontro seria um verdadeiro desastre. Nem tanto pelo tempo que ficaria ouvindo as reclamações maternas, mas principalmente pela preocupação que veria em seus olhos. Mas não tinha outro jeito. A outra opção possível também não era nada animadora. Enquanto ela estivesse sozinha, a mãe ainda teria esperança de que a filha conhecesse alguém que se encaixasse no perfil candidato a marido. Mas, ao saber que ela tinha alguém que, na sua classificação absurda, enquadrava-se no grupo dos intelectuais bêbados e deprimidos, iriam por terra todas as suas expectativas.

Trancava o carro com uma das mãos enquanto tentava equilibrar a pilha de papéis com a outra, quando ouviu uma voz sussurrando bem próximo de seu ouvido:

- Atrasada de novo?

- Isso não é novidade. Surpreendente é VOCÊ estar atrasado.

- Mas não estou. Acabo de chegar de uma reunião.

- Ah bem. Você sabe que é meu protótipo de homem perfeito, não sabe? Se eu descobrir qualquer defeito em você, nunca mais vou me recuperar da decepção.

- Você sempre debochando de mim.

- Eu não estou debochando, você é realmente o homem dos sonhos de qualquer mulher.

- Só que você não é qualquer mulher.

- Não, não sou, sou do tipo que gosta dos caras errados. Sabe como é?

- Então vamos resolver esse problema. Sai comigo amanhã? Abriu um restaurante especializado na culinária italiana, sei que você gosta. Vamos?

- Não posso, vou jantar com minha mãe.

- Vamos os três, oras.

- Não vai dar. Minha mãe me ligou hoje cedo, um amigo atendeu meu celular e ela cismou que ele é meu namorado. Quer que eu o leve pra jantar com ela.

- E você vai fazer o quê?

- Vou levá-la pra jantar e tentar explicar que não estou condenada à solidão eterna só porque não tenho um candidato a marido.

- Candidato a marido?

- Coisas da minha mãe. Ela não quer que eu tenha um namorado. Ela quer que esteja com alguém que tenha o perfil de futuro bom marido.

- Tipo um cara perfeito? Acho que vi você falando de um desses há pouco tempo.

- Não !!! Nem pense nisso, não vou te pôr numa furada dessas, até eu pediria dispensa desse jantar se pudesse.

- Não acha que já estou bem crescido pra poder tomar minhas próprias decisões?

- Você faria mesmo isso por mim?

- Por você não, por mim. Faz tempo que quero sair com você e não vai ser nada desagradável fingir ser seu candidato a marido. Se rolarem uns beijinhos então, pago até a conta.

- Você pagaria a conta de qualquer jeito. Você é um bom moço, lembra?

- É, pagaria. Mas nós temos que ser bem realistas. Sua mãe não vai acreditar num casal que não se beija.

- Espertinho... rs. Só não estou encontrando um bom motivo pra EU fazer uma coisa dessas. Sou maior de idade, independente, saí de casa há séculos. Por que inventaria um namorado?

- Pra agradar sua amada mãe que você vê tão pouco.

- Mas e depois?

- Depois você diz que descobriu que eu sou um cafajeste, mulherengo. Aposto que ela não vai lamentar o fim do nosso romance.

- Você falando assim parece muito simples.

- A outra resolução é mais simples ainda. Você descobre que sou o homem da sua vida, começamos a namorar de verdade e quem sabe acabamos realizando o sonho de sua mãe. Acho mesmo que anda precisando de um homem que cuide de você. Por falar nisso, me dá aqui essa pilha de papéis, eu levo.

- Minha mãe vai adorar você, sabia?

- A que horas te pego amanhã?

- Às 19:30hs. E por favor, NÃO SE ATRASE.

- Eu nunca me atraso. E você?

- Eu? Vou começar a me vestir às cinco da tarde e vou ficar bem longe do telefone. Dessa vez, não posso atrasar. Por falar nisso...

- Está muito atrasada.

- Muito. Preciso ir.

- Não vai dar um beijo em seu futuro marido?

- Beijinho? Só depois do casamento, querido... Afinal, eu sou ou não sou uma mocinha casadoira? ... rs... Até amanhã.

- Até.


P.S.: Cenas dos próximos capítulos: Uma saída, E tudo acaba onde começou.

7 comentários:

Melia Azedarach L. disse...

Aha, será que consigo ser a primeira a comentar essa sua super novela?

Enfim, não estou muito longe dessa situação, minha mãe me chama de encalhada e diz que só arrumo idiotas, ela deve ter razão, é, ela realmente tem razão, mas encalhada não sou, sempre estou com alguém, ou estava, por que ultimamente estou feliz sozinha.

Sabe querida, queria gostar do cara certo, depois te conto algo que aconteceu, mas pelo msn, você vai entender perfeitamente o que quero dizer, preciso de alguém que cuide de mim, que me admire, não um cara que nem sabe do que gosto direito, ao menos alguém com o qual eu goste de conversar.Se bem que nem com isso me preocupo mais, já fico com a cabeça cheia do trabalho, de tudo...preciso ir em um penhasco e gritar, só isso, gritar até me cansar, até perder a voz.

Saudade de nossas conversas completamente confusas.

Beijos!

Bill Falcão disse...

Hehehe!!! Continuo no olho do furacão, Dani, mas vim ver como estão as coisas por aqui. O livro só sai lá por meados de novembro, junto com uma revista. Eram duas, mas desisti da segunda, por total falta de tempo. Perdi uma grana, mas não tinha jeito.
Recebi muito material encaminhado, mas ainda nem consegui ver o que é.
Tomara que isso tudo acabe logo.
Mesmo assim, consegui recuperar uns posts perdidos aqui!
E um bjoooooooooo!!!!!!!

Candy disse...

hehehehe
gostei!
prendeu minha atenção até o fim!
qnd será o prox. capitulo?
:D

;***

Léo Mandoki, Jr. disse...

gosto mto mais desse intelectual, bebado e deprimido do que o padeiro!!
poxa!!! não te custava nadinha dar um beijo no finalzinho né?! ele pagando conta e tudo!!
ahhh eu acho que vai rolar com esse carinha viu
beijosssss

tossan disse...

O esse cara tá muito afim mesmo, e vc vai amolecen o coração aos poucos nos outros caítulos, eu sei... Boa, muito boa a tua composição. Bj

César Augusto Alves Paulo disse...

Helena... a novel está ficando cada vez melhor!!

que bacana... a mesma situação que ela viveu com o "amante" dela ela viveu com o amigo, que nao sei se eh amigo mesmo... os dos queriam ir no tal jantar...

imagine se o outro amigo que atendeu o telefone aparece no jantar e ver que ela levou outro no lugar dele???

espero as proximas cenas...


(arrisquei-me nos poemas e escrevi um, depois leia-o)

bjss

a má estrela disse...

As tuas histórias... lembra-se? Hj,como vc bem sabe,foi um dia incomum,e me lembrei de vc... pela primeira vez,li avidamente um livro,o li inteiro duma unica vez,me esqueci do mundo... não conto quantos outros já li,inumeras sensações tive,mas nunca assim,através de um livro chorei;chorei,mas por dentro,sabe como é? Sem lagrimas,sem drama...apenas eu,que chorava pra mim mesmo que olhava o mundo,carros e pessoas se moverem como se fossem objetos inorganicos por estarem,e não podia ser de outra forma,indiferentes ao meu momento...
Nem sempre,ou melhor,nunca,nunca o mundo entende tão bem a grandeza de coisas tão singelas...

Só vim mesmo dizer que impossivel mesmo naquele momento era não me lembrar da menina que roubava livros...rs

bjin querida