Sinto muito

|


Não confio em quem nunca sofreu. Não falo da dor alardeada aos quatro cantos, publicada na pele, marcada na alma. Não me refiro ao sofrer com causa determinada e justificada. Não trato de morte, muito menos de falta de sorte.

Não confio em quem nunca foi acometido por moléstia desconhecida. Uma dor que começa no peito e toma todo o corpo como o veneno percorrendo silencioso as estradas rubras que deveriam transportar a vida. Um dia recebido com a mesma resistência com que a mulher malfadada gesta o fruto de um amor fracassado. Falo de uma agonia que chega sem aviso como o intruso sorrateiro que em pouco tempo de súdito se faz majestade. O vazio que não chama saudade. O abandono que não nasceu da partida. A morte que não sucede a vida.

Não confio em quem não perde o rumo, o sono, o juízo, em quem não chora sem saber o motivo. Se nunca sentiu, como pode se entregar? Há apenas migalhas de vida, retalhos de cetim, água rasa onde não se pode mergulhar.

9 comentários:

Leo Mandoki, Jr. disse...

..curioso vc ter escrito isso...2ª, 3ª e 4ª me senti assim: uma angústia recorrente no peito como se fosse uma premonição ruim...falta de sono..a cabeça latejando, uma tristeza, uma vontade desistência...e tudo isso 3 dias seguidos sem razão aparente...e vem vc e escreve isso!
curioso
beijos viu (te acho mto bonita...em todos os sentidos)

Branca disse...

...essa angústia às vezes chega e domina nossa vontade, nossos pensamentos, parece que vai ficar indefinidamente...é uma sensação horrível, de perda, mas nem sabemos de que.

Excelente dia pra vc...bjo!

tossan disse...

Quem nunca curtiu uma paixão(ou uma pior na vida)nunca vai ter nada não, como diz o poetinha. Então eu e você somos normais. Adorei outra vez. Beijão moça bonita

paula barros disse...

Então pode confiar em mim, acordei assim, mas com as andanças, as reflexões, os desencontros, uma lágrimas, e lendo você, vou voltando ao normal.

Você escreve muito bem, menina linda.

beijos

Candy disse...

Seria uma vida sem vida, se é que vc me entende.

*tb nao confio.

:*

O Sibarita disse...

Moça, valah-em Deus! kkkkk

Excelente texto, quem nunca sentiu uma dor, ou mesmo a dor do amor que atire a primeira pedra, né não? kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Quer dizer que a menina já esteve em Salvador, heim? Oi que bom!

Tomara que volte sempre...

Você escreve bem e muito, faça fé!

abraços,
O Sibarita

Ana Karenina disse...

Também desconfio de gente que vive como se não fosse humano, desconfio de gente que só vive a felicidade extrema ao ponto de vendê-la aos outros.

Pessoas que nunca sabem reconhecer as próprias dores e de fato não saberão quando for magoar o outro, são pessoas que se preenchem de si mesmas achando que o mundo lá fora é que é vazio e não elas.

Quero crer que nessa escola chamada “vida” e com essa professora chamada “experiência” podemos mesmo ser mais do que distraidamente pensamos que somos, podemos ser leves, brutos, espertos, desatentos a depender da perspectiva que se olhe, a depender da forma que se quer olhar.

Eu desconfio de extremos, desconfio de gente que me ama incondicionalmente e gente que me odeia inconsequentemente. Porque nestes não terei espaço para os novos olhares, não haverá descobertas nem surpresas, não haverá aprendizado, nem vivência, nem sentimentos, só o vazio da “rotulagem”, do “achismo” , só resta aí o extremo egoísmo de pensar que o mundo é sempre decifrável aos nossos olhos só porque não suportamos ficar com o vazio de nossas intermináveis questões existenciais.

Bjs querida. See you later!

C. disse...

Daniele, rendo-me às tuas palavras e reverencio o teu dom a cada vez que te leio.
Quem diz nunca sofreu guarda verdades sufocadas, como quem quer purgar a dor que sente dentro de si num ato de autoflagelação, como quem tenta abafar uma dor com outro tipo de dor.

um bótemo findi!
Cristina

Bill Falcão disse...

Eu também desconfio!
Bjooooooo!!!!!!